13 abril 2017
13 abril 2017,
 0

Rinoplastia aberta, fechada ou semi-aberta? Qual é a melhor? A alteração do forma do nariz, que é o objetivo principal da rinoplastia estética, se dá, principalmente pela atuação sobre as cartilagens do nariz. Podemos mudar seu formato, reduzir seu tamanho, mudar sua posição, acrescentar outras peças etc. Elas localizam-se entre a pele e a mucosa. Desta forma, podemos acessá-las elevando a pele ou elevando a mucosa. As técnicas de rinoplastia aberta, fechada ou semi-aberta são acessos cirúrgicos para a plástica de nariz. Vamos explicar cada uma delas.

 

Com a grande quantidade de informação na internet, é fácil para os pacientes ficarem indecisos sobre qual a opção mais adequada para eles. Isso é perfeitamente natural já que mesmo os cirurgiões não formam um consenso. Há os que se sentem mais confortáveis com uma técnica e outros com outra.

 

Possuímos um site exclusivo sobre rinoplastia. Na nossa página de vídeos há a demontração das técnicas. Para assistir, clique aqui.

 

Técnica de Rinoplastia Fechada

 

Na técnica de rinoplastia fechada, as incisões são feitas apenas na parte interna do nariz. Todo o trabalho sobre as cartilagens é realizado de dentro para fora. Para o acesso ao dorso nasal é feita uma incisão entre as cartilagens alares (laterais inferiores) e as cartilagens triangulares (laterais superiores). Assim, os instrumentos cirúrgicos (raspas e cinzéis) atingem a porção superior do dorso nasal, por dentro.

Antes da popularização da rinoplastia estruturada, foi o acesso “padrão” para as rinoplastias. A visão das cartilagens não é direta, o que em mãos pouco treinadas na técnica pode resultas em assimetrias. Seu conceito básico é o reducional. O conceito de rinoplastia reducional, produziu ao longo do tempo algumas sequelas antômicas e funcionais, como bem discutido em outro artigo. Os resultados ruins, deve-se frisar, não se deram pelo acesso fechado, mas por um conceito errado que não se preocupava adequadamente com a estruturação e a fisiologia das válvulas nasais.

A incisão sobre a mucosa nasal pode ainda provocar aderências (sinéquias) entre as estruturas internas no nariz, especialmente entre o septo e os cornetos nasais.

Atualmente há diversos centros que realizam a rinoplastia fechada dentro do conceito de rinoplastia estruturada, obtendo ótimos e duradouros resultados.

 

Técnica de Rinoplastia Aberta

 

Na técnica aberta não há incisão nas mucosas. Incisões internas nas bordas inferiores das cartilagens alares se unem na frente com uma incisão de 4 a 5 mm na columela. Estas incisões permitem a elevação da pele de todo o nariz, possibilitando visão direta às cartilagens. Este acesso oferece ao cirurgião de nariz maior visibilidade e acessibilidade.

Desta forma, a atuação sobre as estruturas é mais precisa e simétrica. Permite o remodelamento por pontos de sutura, o que não é possível na técnica fechada. Facilita o correto posicionamento dos enxertos para a estruturação do nariz e também proporciona acesso ao septo nasal sem abrir a mucosa (septoplastia extramucosa).

Com o advento do conceito de rinoplastia estruturada, a técnica aberta vem se tornando o padrão ouro nas rinoplastias. Esta é a técnica de preferência do dr Fabio Neves.

“Em 2006 complementei minha formação em rinoplastia na University of Texas, em Dallas. O Southwestern Medical Center é o mais importante Serviço dedicado à rinoplastia dos Estados Unidos. Seu livro: Dallas Rhinoplasty – Nasal Surgery by the Masters é referência mundial. Lá, fortaleci o conceito de rinoplastia estruturada e aprendi táticas e técnicas que utilizo até hoje”.

A cicatriz decorrente da incisão na columela é quase imperceptível e a dor pós-operatória, assim como em todas as técnicas de rinoplastia, é mínima.

 

Técnica de Rinoplastia Mista – Semi-aberta (Delivery)

 

A técnica mista, associa duas incisões internas no nariz, a intercartinaginosa (técnica fechada) e a marginal (técnica aberta) mas sem a incisão na columela, consequentemente, sem cicatriz externa. Com esta técnica é possível a exposição das cartilagens da ponta nasal através das narinas. Isto permite um trabalho na ponta nasal semelhante ao obtido na técnica aberta.

É uma ótima técnica para pacientes que necessitam mínima atuação no dorso nasal, em que o trabalho é concentrado na região da ponta. Isto porque a visão direta ao dorso ainda é bastante prejudicada.

Assim como toda técnica, a técnica semi-aberta, quando bem indicada, promove resultados excelentes.

 

Conclusões

 

Mais importante do que a técnica de acesso utilizada (rinoplastia aberta, rinoplastia fechada ou técnica mista) é ter o conceito de corrigir os defeitos estéticos do nariz sem comprometer a sua função, com resultados estáveis e duradouros.

O cirurgião que se dedica à cirurgia do nariz deve dominar as três vias de acesso e recomendar a mais adequada a cada caso. Nosso compromisso é com o bom resultado e não com a técnica utilizada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *