Prótese de silicone na mama – como definir o modelo para a cirurgia de mamoplastia?

Prótese de silicone, ou melhor: implante de silicone. Uma das grandes questões com as quais nos deparamos no consultório é a escolha do modelo e volume da prótese de silicone (implante) que iremos utilizar na cirurgia de mamoplastia de aumento. Algumas pacientes já vem com uma ideia pré-concebida dizendo: ” quero colocar 350 ml porque minha amiga colocou e ficou linda”. Ou então: ” quero uma prótese de silicone de formato redondo para preencher o colo”. Ou ainda: “quero uma prótese grande porque minhas mamas estão caídas e ouvi dizer que assim não precisa tirar pele”. São situações muito comuns no nosso dia-a-dia e vou discorrer sobre a minha visão.

1) O tamanho

É preciso compreender que somos pessoas diferentes. Cada mulher possui características físicas particulares como a sua largura de tórax, o volume das suas mamas, o formato e grau de flacidez, a distância entre uma mama e outra etc. Tudo isso influi no resultado final. O resultado da colocação de um implante mamário de 300 ml numa mulher com pouca glândula será completamente diferente de usar o mesmo volume em que possui um moderado tecido mamário (glândula e gordura). O volume final das mamas será sempre a soma entre implante e tecido mamário existente. Parece óbvio, mas tenham certeza que gera dúvidas e confusões.

Os implantes devem caber e ser completamente recobertos pelas mamas. Sendo assim, sua base deve sempre ser inferior à base das mamas que é a distância entre o início da mama junto ao esterno (medialmente) e o final da mama, lateralmente, próximo à axila. Geralmente recomendamos 2 cm a menos para a base das próteses de silicone. Para cada tamanho de base dos implantes (nosso ponto de partida) existem 4 tipos diferentes de altura. Neste momento a avaliação é mais subjetiva e, mais comumente, escolhemos a terceira maior projeção. Como resultado (base e altura definidos) teremos o volume final. Portando, mais modernamente, é assim que o volume final é definido: com base nas medidas anatômicas pessoais e não mais com apenas um número.

2) O formato da base

Existem diversas formas de prótese de silicone ( implantes de mama ) no mercado. A base pode ser redonda, oval no sentido vertical ou oval no sentido horizontal. A base da prótese é definida também pelas medidas anatômicas da mama, seu formato e pela distância entre as aréolas e um ponto onde as clavículas se aproximam, no centro do pescoço (fúrcula esternal). Mulheres altas e magras cujas mamas são longas, mas pouco largas podem necessitar de um implante de silicone de base oval vertical. Já as mulheres baixas com mamas mais largas do que altas podem se beneficiar mais de implantes de base oval horizontal. A grande maioria, entretanto, se encaixa no grupo de base redonda, que por este motivo é a mais utilizada.

shutterstock_278020784

Figura 1: Alguns tipos de próteses de silicone

3) O formato do perfil

Para todos os tipos de base das próteses de silicone existem o perfil natural ( anatômico ou em gota ) e o perfil redondo que possui o aspecto de uma hemi-esfera. Os perfis redondos tendem a deixar o polo superior das mamas ( acima das aréolas ) mais convexos enquanto que os anatômicos o deixam mais retificados, simulando o formato natural das mamas. Nos dois casos o polo inferior tem o formato arredondado. Nas mulheres muito magas, com pouco tecido mamário e em que o subcutâneo na parte superior do tórax por manobra de pinçamento mede menos de 2 cm, geralmente indico a prótese de formato anatômico o que permitirá uma transição mais natural na região do colo não se notando o contorno superior do implante. O resultado é mais agradável para quem busca a naturalidade. Por outro lado, as mulheres que possuem um moderado tecido glandular, mas que desejam ter as mamas maiores, geralmente se beneficiam mais dos modelos de formato redondo que vão apenas projetar anteriormente a mama alterando menos a sua forma e tendo o seu contorno superior bem camuflado, criando também um resultado natural e belo.

Em outro artigo discorremos sobre os critérios que utilizamos para definir o acesso (por onde colocamos os implantes) o plano (atrás da glândula, da fáscia peitoral ou do músculo) e a necessidade de retirada de pele.

 

Prótese de silicone na mama – como definir o modelo para a cirurgia de mamoplastia?