6 setembro 2017
6 setembro 2017,
 0

Ter filhos é uma experiência maravilhosa, mas a maternidade pode produzir mudanças significativas no corpo de uma mulher. Muitas mulheres, mesmo realizadas com a maternidade, são infelizes com seu corpo pós-gravidez. Estas alterações podem incluir mamas flácidas, sobras de pele no abdome e estrias, uma cintura mais espessa e depósitos de gordura localizada. As mulheres que tiveram uma ou mais crianças podem querer retornar seu corpo para um estado semelhante ao pré-gravidez. Para isso, fazem uso de uma combinação de procedimentos de cirurgia plástica conhecida como mommy makeover, algo como renovação da mamãe em português. Os procedimentos indicados na plástica pós-parto também podem ser feitos para mulheres que perderam uma quantidade significativa de peso e têm problemas corporais semelhantes. Vejamos as opções cirúrgicas que podem ser incluídas em uma renovação da mamãe.

Abdominoplastia na cirurgia plástica pós-parto

Quando uma mulher está grávida, a pele abdominal e os músculos devem se “esticar” para acomodar um bebê. Os músculos retos do abdome (aqueles dos gominhos) que normalmente são unidos na linha média, se afastam causando o que chamamos de diástase. Assim, após o nascimento do bebê, a musculatura permanece afastada, impedindo que aquele abdome “chapado” reapareça naturalmente. O resultado é uma musculatura flácida e a perda da cintura. A pele também foi muito estirada e nem sempre retorna à posição original. Ao contrário, mais frequentemente encontramos estrias e sobras de pele, criando um aspecto flácido que, na maioria dos casos, não desaparecerão. A abdominoplastia pode remover o excesso de pele e gordura, apertar e restaurar os músculos abdominais e mover o umbigo para uma posição “normal”.

O desenvolvimento da flacidez após a gestação


Aumento ou elevação das mamas na cirurgia plástica pós-parto

De forma semelhante ao abdome, a gravidez também causa aumento da mama. Este aumento é mais presente no pós-parto imediato pela hipertrofia das glândulas mamárias e pelo leite produzido, estimulado pela sucção do bebê. Uma vez concluída a gravidez e o período de lactação, os seios perdem volume e podem cair. As aréolas podem ter se estirado, ficando mais largas. Os mamilos podem ter se hipertrofiado (crescido). Estrias podem ter se desenvolvido. Muitas vezes as mamas tornam-se menores e mais assimétricas do que eram antes da gestação. Por fim, a pele não se retrai adequadamente. O resultado, não raro, é: mamas flácidas, com estrias, argolas largas e baixas com mamilos proeminentes. Como parte de uma “restauração” completa da mamãe, alguns procedimentos  podem ser feito para retornar uma forma juvenil aos seios. Isso geralmente é chamado de “aumento de mama / mastopexia”. Envolve elevar da mama para remover o excesso de pele, reposicionar e redimensionar a aréola, reduzir os mamilos e, muitas vezes pode também incluir um aumento de volume com um implante de silicone. O objetivo é restaurar a plenitude da forma das mamas. Uma redução da mama pode ser realizada ao mesmo tempo para mulheres cujos seios permanecem muito grandes após a gravidez. Da mesma forma, quando houve apenas uma discreta flacidez e redução do volume das mamas, apenas a inclusão de um implante pode ser suficiente.

Mastopexia

Lipoaspiração na cirurgia plástica pós-parto

O corpo pós-gravidez pode resultar em uma cintura mais espessa ou depósitos de gordura localizada na cintura, nos quadris e coxas. A lipoaspiração remove essa gordura e pode melhorar o contorno do abdômen, quadris e coxas. A lipoaspiração também pode ser realizada nos braços, joelhos e pescoço (papada) ou em qualquer lugar que a gordura aparece fora do lugar. Ela deve ser usada como um procedimento de “contorno” e não substitui a perda de peso.

Lipoaspiração

 

A cirurgia plástica pós-parto pode ter uma combinação de dois ou mais desses procedimentos realizados ao mesmo tempo. O aspecto mais importante de uma plástica pós-parto (Mommy Makeover) é que ele pode ser feito com segurança por um cirurgião plástico com verdadeira experiência nestes procedimentos. Também é importante que estes procedimentos sejam feitos em um Hospital completo, que disponha de toda a segurança e conforto nos cuidados durante e após o procedimento. O tempo cirúrgico total, por motivo de segurança, não deve ser superior a cinco horas e, em alguns casos, serão necessários dois estágios, espaçados em 3 a 6 meses de intervalo, para permitir cicatrização e recuperação máxima de feridas.

Estes procedimentos também podem ser feitos quando ocorre perda significativa de peso. Antes de obter qualquer cirurgia, o corpo deve ter se recuperado completamente do período pós-parto, não deve estar mais amamentando e o paciente deve estar próxima ao peso corporal ideal. Isso pode exigir mudanças na dieta ou no nível de atividade física; quanto mais saudável for o corpo, a recuperação mais bem sucedida será. Uma nova gravidez geralmente irá “desfazer” os efeitos da cirurgia e as mulheres são freqüentemente recomendadas para completar todas as gravidezes antes de considerar qualquer um dos procedimentos de cirurgia plástica pós-parto.

 

Fonte: ASPS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *